sexta-feira, 15 de julho de 2011

Acordo descabelada, tenho um pijamão que perdeu o elástico, uso meias coloridas furadas. Quando durmo mal tenho olheiras. Não é sempre que uso salto, gosto também de all star e chinelo. Sempre sujo a toalha da cozinha, sou desastrada. Não sei rir baixo, quando algo é engraçado pra valer me mato de rir, bem alto, mas tão alto que as pessoas na rua se viram pra me olhar e acabam rindo também.! Adoro andar de meia pela casa, ou então de pé no chão mesmo. Falando em chão, adoro sentar no chão. Se eu estou com crianças, é uma festa: me arrasto, brinco de cavalinho, de pega-pega, de cabaninha, invento brincadeiras. (...)

Não sou princesa. Falo gesticulando, meu choro é verdadeiro, fico com nariz entupido, olhos vermelhos, fanha, as lágrimas saltam. Princesas choram com delicadeza e ainda pegam lencinho. Eu limpo o nariz na manga da blusa. Princesas dão sorrisos, eu gargalho pra valer, têm vezes que eu choro de rir. Não sou uma boneca. Eu tenho espinha. Tenho celulite. Tenho enxaqueca.  Minha unha descasca hoje e eu deixo pra tirar só amanhã. Esqueço de passar filtro solar. Me sujo comendo sorvete. (...)

Não respiro pra falar. Me agito pra falar. Me embolo pra falar. Me embolo pra tentar explicar o que estou sentindo. Me embolo no meio dos sentimentos todos. Meu rosto não é perfeito. Meu cabelo não é perfeito (pontas duplas, triplas, até quádruplas). Meu corpo não é perfeito. Mas digo que o meu coração é grande. Bonito, mas também não é perfeito. Tem falhas. Meu coração não é princesa, nem boneca, nem coisa de filme. Ele é de verdade, que nem eu. Acho que o melhor que posso fazer por mim é exatamente isso: mostrar quem eu sou. Sem querer ser uma outra coisa, sem usar uma máscara que cai, quebra, desmonta, derrete. Não gosto disso. Não quero. E não preciso. Sou desse jeito que me mostro. Sou desse jeito que mostro pra você.

# Ainda bem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário